Quem somos nós?

Ananda Barata: Estudante de Moda
Laís Lepper: Estudante de Moda

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Belle Époque

A Belle Époque e a Moda Eduardiana eram contemporâneas e bastante semelhantes, mas uma acontecia na França e a outra na Inglaterra. Considera-se o início da Belle Époque meados de 1890.

Foi, sem dúvidas, uma era de de luxo  em que a moda e o consumo era pensado para grupo seleto e as disparidades sociais tornavam-se óbvias . No século XIX e início do século XX, a indústria da moda se expandiu a partir da produção de famosas marcas  francesas como: Jacques Doucet (1871), Rouff  (1884),Jeanne Paquin (1891), Soeurs Callot (1895),Paul Poiret (1903),Madeleine Vionnet (1912),Chanel (1925),Elsa Schiaparelli(1927) e Balenciaga (1937).
A moda da Belle Époque passou por diversas transformações com o decorrer do tempo, afinal estamos falando de duas décadas. Para conseguirmos compreender as mudanças e permanências da moda dessa era vamos dividir os anos e analisar as tendências separadamente.


 1895 – 1910
A moda da Belle Époque é fiel ao espírito do Art Nouveau, uma corrente artística que  é caracterizada por curvas e inspirado pela natureza do embelezamento.A silhueta era caracterizada por curvatura em “s” curva conquistada pelo uso de corpetes e espartilhos apertados que acentuavam os seios e quadris  que eram projetos para fora do corpo, e afinavam a cintura.Essa silhueta ainda era um resquício da forma ampulheta em voga durante o século XIX.




As roupas eram excessivamente românticas e fluidas contando com vários detalhes como plissados, bordados e aplicações de renda.  As roupas eram tão trabalhadas e com tantos detalhes que nenhuma dama poderia  vestir-se ou despir-se sem o auxílio de um terceiro, mais uma forma de distinção social. 


O guarda-sol, para proteger a pele clara do sol, tornaram-se acessórios indispensáveis à composição do look diurno.  Coberto com rendas, o guarda-chuva tinha cabo de madeira ou marfim esculpido,  tornou-se um acessório de moda  indispensável à composição do look diurno da época assim como os grandes e luxuosos chapéus. 


Quanto aos penteados o estilo “Pompadour”, usado por mulheres e homens,consistia em  um “topete” feito com o próprio cabelo ou usando apliques quando queriam mais volume, o cabelo era jogado para trás e preso geralmente em coque no topo da cabeça. 


O paradigma da mulher ampulheta,  de cintura e pés minúsculos ( muitas mulheres decepavam o dedinho mindinho para afinar os pés) e pele clara foi dissemido principalmente pelas “Meninas de Gibson”. O ilustrador de moda Charles Dana Gibson, entre 1890 e 1910, assinou colunas de moda em revistas e manuais de boas maneiras nos EUA e Grã-Bretanha, em seu trabalho lançou a imagem de uma “Nova Mulher “, desportiva , independente e elegante.




 Aos poucos as mulheres conquistavam seu espaço, as mais ousadas já dirigiam e trabalhavam fora, o terno aos poucos foi  introduzido ao vestuário feminino, inicialmente o paletó era usado com uma saia drapeada. 
Os vestidos eram feitos de tecidos suaves e leves, como musseline de seda e chiffon, as cores eram leves, geralmente bege e branco. Ainda era a norma fazer vestidos em duas partes: Corpete e Saia. Os decotes desapareceram das roupas diurnas dando lugar às golas altas de renda  que alta mas a noite usavam decotes quadrados e redondos que permitiam o uso de jóias. 



1910-1914:

O mundo estava em alerta e a corrida armamentista tornava a I Guerra Mundial iminente. Era necessário se habituar à agilidade e praticidade dos novos tempos industriais,não havia mais espaço para movimentos limitados.A silhueta torna-se mais natural, nada de corsets ou espartilhos, o estilo império retorna ao guarda-roupa feminino e o comprimento da saia também começou a subir  mostrando os sapatos e tornozelos. 


Dois ternos peça começou a fazer rondas em moda feminina no final de 1913. A jaqueta era um pedaço de tecido volumoso, enquanto a saia estreitou tanto nos tornozelos, apenas pequenos passos eram possíveis. Chapéus, antes grandes e com flores , se transformaram em  turbantes com penas ou broches. 


O movimento Orientalista invade a moda pelas mãos de Paul Poiret, um dos estilistas expoentes do período, porém ganha muitas adeptas após o sucesso da apresentação do espetáculo Scheherazade ( figurinos inspirados pelo Orientalismo), do Ballet Russo,em Paris. 


Poiret criou em pantalonas , turbantes,quimonos,vestidos império,saias “hobble”e obis, também usou cores vivas e combinações exóticas que as mulheres poderiam vestir sem a ajuda.Chapéus antes grandes e com flores se transformaram em  turbantes com penas ou broches. 



Com o início da Guerra, em 1914, as alterações no vestuário foram ditadas mais pela necessidade do que estética, as mulheres eram forçadas a trabalhar o que exigia roupas mais adequados às suas novas atividades , a gravidade da situação fez com adotassem um visual monocromático com cores mais escuras e sóbrias.




2 comentários:

  1. bom dia, gostaria de saber se posso usar imagens da sua página, no caso mulher com sombrinha para ilustrar um livro. Caso seja possível, peço uma autorização.
    grato

    carlos gaiza

    ResponderExcluir
  2. meu contato:
    carlosbo@ig.com.br
    fone: 81.9734.2010 tim

    ResponderExcluir